•  
  • Archives for Akira (8)

Os 20 Anos Sem Ayrton Senna e História Inédita de Toriyama no Ocidente! Conheçam BattleMan F-1 GP!

Em homenagem aos 20 anos da morte de Ayrton Senna, nós do site/ fanpage Kami Sama Explorer oferecemos aos fãs uma raríssima história de Akira Toriyama envolvendo diretamente o saudoso corredor brasileiro que tanto alegrou nossas manhãs de Domingo nas décadas de 80 e 90. Trata-se de BattleMan F1-GP, nunca publicado no Ocidente e até onde temos conhecimento, os scans nunca foram disponibilizados na íntegra. Faz parte do nosso acervo e coleção pessoal. Infelizmente não está traduzido para o Português.

BattleMan F-1 GP ( BattleMan F1西ドイツホッケンハイムGP観戦记/ BattleMan F1 Nishi Doitsuhokkenhaimu GP Kansen-ki é uma raríssima história criada por Akira Toriyama em 1990 por ocasião do Grande Prêmio de Fórmula 1 na Alemanha.

O pequeno curta foi publicado na edição 44 da revista Weekly Shonen Jump e em 10 de Janeiro de 1991 foi republicado no luxuoso livro F1 Grand Prix 1990, ambos editados pela Shueisha.

O curta é apresentado como uma espécie de relatório feito por Akira Toriyama, durante o Grande Prêmio de Fórmula 1 de 1990 da Alemanha, mesclando fotografias e ilustrações reais. O protagonista é BattleMan, um gordinho vestindo uma roupa com capa bem extravagante, além de portar uma máquina de fotografar e um cantil.

BattleMan simplesmente decidiu desafiar os campeões de Fórmula 1, incluindo o saudoso Ayrton Senna. A pequena história inicia-se com a icônica imagem de Akira Toriyama cumprimentando o campeão brasileiro, enquanto aparecem diversas imagens de BattleMan e do próprio Akira Toriyama acompanhando – e descrevendo – detalhes da corrida, até o seu final, mostrando os vencedores do Grande Prêmio já no pódio, com Aryton Senna em primeiro lugar, Alessandro Nanini em segundo e Gerhard Berger em terceiro!

Akira e Senna, dois mitos! Um na Terra, outro no Céu! Saudades eternas, campeão!

b c_test

d e a

MR. HO

by Kami Sama Published on: 7 de novembro de 2010
Comments: 1 Comment
Tags: , , , , ,

Mr. Ho

Mr. HO
Lançamento: 1986
Nº de páginas: 25

Mr. Ho é uma curta história de 25 páginas que foi publicada integral e originalmente  na edição de número 49 da Weekly Shounen Jump de 1986. Posteriormente Mr. Ho foi republicado na compilação de histórias curtas “Akira Toriyama One Shots” vol. 2  de Março de 1988, sob o selo JC (Jump Comics), e em uma outra compilação de junho de 2003, “Akira Toriyama One Shots” nº 1, sob o selo SJR (Shueisha Jump Remix).

Depois de uma guerra mundial entre o Norte e o Sul, os tempos são de paz. Em um dia qualquer no Sul, somos apresentados a Mr. Ho, passeando com seu carro voador conversível. Logo vemos que Mr. Ho é um cara metido a machão que gosta de viajar solitário, entretanto ele se depara na beira da estrada com camponesa lindíssima segurando uma espécie de avestruz gigante. Nessas e outras, desatento com a direção, ele acaba batendo com tudo em uma árvore. Contorcendo-se de dor ele disfarça ao ver a garota e culpa o carro pelo acidente, já a garota mostra a língua para ele, que fica com cara de tacho acreditando que mostrar a língua deve ser a forma de se cumprimentar as pessoas no Sul. Sozinho e a pé ele resolve ir até uma cidade próxima procurando alugar um carro. Ao entrar na cidade ele vê que as ruas estão desertas, então ele entra no primeiro bar que vê para tomar uma cerva e se informar sobre o aluguel de um carro. Uns meninos locais o estranham achando que ele é da gangue do Chai e quando descobrem que ele é um ex-soldado do Norte, o dono do bar o expulsa, ao que tudo indica que a guerra não terminou por essas bandas.

Fora do bar, os jovens garotos oferecem um carro para alugar, pedindo que Mr. Ho os ensine alguma coisa. Depois de muito andar, eles chegam em um rancho e, para surpresa de Ho, a dona dele era a mesma garota da estrada. Ela fica revoltada com o pequeno irmão  Chazke e seu amigo que trouxeram Ho, um ex-soldado do Norte, até lá. Ao saber que apesar de soldado, Ho não faz parte da gangue do Chai, ela não dá a mínima. Ho cumprimenta a garota mostrando a língua e ela dá um passa fora nele. Os garotos o levam até o carro e pedem a Ho que lhes ensine a usar armas e para tal eles o levam até um porão que tem um verdadeiro arsenal de armas que o falecido pai de Chazke juntou durante a guerra. Eles explicam que querem aprender a usar as armas para lutar com a gangue do Chai, que é formada por antigos soldados do Norte que permaneceram no Sul roubando e matando os que se recusam a obedecê-los, sendo por isso que quase não há mais homens nos arredores.

Na base da gangue do Chai, o chefe e um subordinado insatisfeitos com o baixo valor de seus saques, cogitam roubar o rancho da garota e resolvem seqüestrá-la. Enquanto Ho conversa com os meninos no rancho, eles são surpreendidos por um helicóptero com membros da Gangue do Chai que tentam seqüestrar a garota. Ho cheio de panca e fazendo pose, tenta intimidar os membros da gangue, que fazem pouco caso dele. Ho parte para cima deles dizendo que vai mostrar suas habilidades, mas o idiota acaba escorregando em uma garrafa e cai de bunda no chão enquanto o helicóptero parte com a garota. Ho agora está decidido a salvar a garota. Com seu antigo uniforme e armado, ele destrói o teto do porão para sair de lá para a base da gangue do Chai, com um pequeno caça. Quando está sobre a base, Ho pula do caça e cai em cima de um dos guardas acabando com ele. Em pouco tempo munido de farto armamento Ho detona com tudo e logo ele se lembra que esqueceu da garota e que ela poderia estar no prédio que ele destruiu. Para sorte dela, lá ela não estava e Ho logo a encontra e a salva, matando os membros restantes com uma granada. A garota fica muito agradecida e tudo termina bem com ambos dando um passeio de carro.

AKIRA TORIYAMA SOBRE DRAGON BALL GT

by Kami Sama Published on: 12 de setembro de 2010
Comments: 20 Comments
Tags: , ,

Comentário de Akira Toriyama sobre Dragon Ball GT (após fim do DVD Box de Dragon Ball).

ドラゴンボールDVD BOXを買っていただいたみなさん、ほんとうにありがとうございます。

連載していた ドラゴンボールが無事終了し、本来なまけもののボクは やっと しめきり地獄から解放されめちゃめちゃ 喜んでいました。

テレビアニメの方はもうすこし続けたいとのことでしたが、ボクはもうこれ以上は…。と いうわけでドラゴンボールのアニメはストーリーも含め、すっかりアニメスタッフの方々におまかせすることになったのです。

それが『ドラゴンボールGT』です。

GTというのはクルマ用語で「グランツーリスモ」つまり速くて高性能なクルマってこと ですが、この場合は宇宙を駆けまわるっていう設定でしたので「グランドツーリング」壮大な旅という意味を込んでGTとしました。

GTでボクがやったことといえば このタイトルと最初の主要メンバー、一部のメカデザインと数枚のイメージカットだけで すが、ずっとドラゴンボールを続けていただいてきた優秀なスタッフのみなさんなので 安心して おまかせすることができたのです。

とくに、アニメーターの中鶴くんは すごい腕前で、ボクの絵のクセなんかをあっというまに会得してしまい、ときどき自分で も このキャラデザインを描いたのは、ボクか?中鶴くんか? などとわからなくなることがあったりするぐらいです。

たとえば このGTに登場する『スーパーサイヤ人4』というのは中鶴くんのデザインで、上に描い た絵は、ボクがそれを見て描いた 似顔絵なんです。うまく描いたでしょうか?

原作 ドラゴンボールの 壮大なサイドストーリーであるドラゴンボールGTを ボクといっしょに楽しく観ていただければ 幸いです。

鳥山明

(tradução)

Obrigado a todos que compraram o DVD BOX de Dragon Ball.

Eu, que após o encerramento da série Dragon Ball virei basicamente um bicho preguiça, estou extremamente feliz por me livrar desse inferno.

O pessoal responsável pelo anime deve continuar a série por mais um tempo. A minha parte já está concluída.

Esse é o Dragon Ball GT.

GT vem da terminologia automobilística GRAN TURISMO. Em outras palavras, um carro rápido e eficiente/ poderoso. Nesse caso, como teremos viagens pelo universo, GT tem o significado de JORNADA MAGNÍFICA.

A minha participação na série GT é esse título, dicas iniciais e o character design.
Aqueles que sempre quiseram a continuação de Dragon Ball podem se tranqüilizar que a série foi encarregada aos excelentes membros do staff do anime.

Principalmente o animador Nakatsuru, excelente profissional. Que consegue compreender meus traços com muita facilidade. A ponto de às vezes eu ficar em dúvidas “quem criou o design desse, eu? Nakatsuru?” E acontece que no final fica sem saber mesmo.

Por exemplo, o SSJ4 que será introduzido no GT tem design do Nakatsuru, mas parece algo que eu fiz. Não acham bom?

Ficarei feliz se acompanharem comigo a grande side story de Dragon Ball, o Dragon Ball GT

Akira Toriyama

SHENLONG TSUUSHIN – I LOVE DRAGON BALL

by Kami Sama Published on: 12 de setembro de 2010
Comments: 1 Comment
Tags: , , ,

Shenlong Tsuushin – I Love Dragon Ball

O SHENLONG TSUUSHIN (SHENLONG TIMES) é um panfleto que acompanhava os 7 principais volumes dos Daizenshuus, contendo informações e curiosidades em geral acerca da franquia Dragon Ball. Alguns deles possuem a sessão I Love Dragon Ball, uma sessão onde fãs famosos de Dragon Ball deixam seus comentários a respeito da série.

SHENLONG TSUUSHIN # 1 – I LOVE DRAGON BALL

Jackie Chan: “Eu ouvi falar há um bom tempo, das pessoas que trabalhavam comigo, que Dragon Ball era muito interessante, então assisti o anime e li a versão chinesa do mangá. É claro, como todo mundo já havia me dito, era muito bom! Meu personagem favorito é o Goku, claro! Minha cena favorita… eu não consigo escolher uma, são tantas!

Eu realmente gostaria de fazer um filme sobre a história. Existem tantas idéias e produções embutidas no seriado. Mas se é pra fazer um filme sobre Dragon Ball, é necessário muitos efeitos especiais e um enorme orçamento!”

O filme mais novo de Jackie Chan’s, “Red Bronx” vai estrear em Agosto de 1995.

SHENLONG TSUUSHIN # 2 – I LOVE DRAGON BALL

“Esta é uma parada para os amantes de DB. Nesta segunda edição nós temos, UAAAAAAU, ele já atuou em dramas, canta e aparece em muitos programas de TV, o incrivelmente popular Shingo Katori vai nos passar seus pensamentos”.

Shingo Katori: “Eu lia DB desde que começou a sair em mangás. Naquela época eu estava no ensino fundamental e me parecia muito com o Goku. Morava nas montanhas.
Dos personagens de DB, o meu favorito é o Piccolo. Ele é tão legal. Os membros da SMAP que se parecem mais com personagens de DB seriam…”

“Kimura kun teria que ser o Vegita”.

“Nakai kun é o Goku, tão alegre e despreocupado”.

“Eu acho que o Mori seria o Tenshinhan”.

“Goro chan seria o Piccolo”.

“Kusanagi kun, Kuririn ou Yajirobe”.

“Eu provavelmente sou o Gohan. Durante todas as etapas estudantis, eu li DB. Este com certeza é o mangá da minha infância! Fiquei muito triste quando acabou, mas sou muito agradecido ao Toriyama Sensei!”.

AKIRA TORIYAMA – ENTREVISTA SHENLONG TSUUSHIN #2

by Kami Sama Published on: 12 de setembro de 2010
Comments: 1 Comment
Tags: , , ,

Shenlong Tsuushin #2

Entrevista publicada na segunda edição do SHENLONG TSUUSHIN (SHENLONG TIMES), um panfleto que acompanhava os 7 principais volumes dos Daizenshuus, contendo informações extras, curiosidades e entrevistas com pessoas ligadas à franquia Dragon Ball, incluindo o próprio Akira Toriyama.

Mesa Redonda Entre as Gerações de Editores – Round 2

Os quatro magníficos. Akira Toriyama e seus três editores, Fuyuto Takeda (terceiro editor), Yuu Kondou (segundo editor) e Kazuhiko Torishima (primeiro editor). Depois de 10 anos de Dragon Ball, agora podemos trazer você para “detrás das cenas”. Esta é uma discussão aberta com alguns dos maiores responsáveis por Dragon Ball. É a segunda na série. Por coincidência, Sr. Toriyama estava em Tóquio, então ele entrou na discussão. Sr. Takeda é o líder da discussão.

Takeda: Depois de muito tempo de Dragon Ball, acho que Akira Toriyama gostaria de falar o que estava por trás das cenas, mas primeiro, eu gostaria de falar com o Sr. Torishima. Dragon Ball foi popular “logo de primeira”?

Torishima: Bem, nós estávamos pensando no que fazer depois de Dr. Slump. Nós pensamos, “O que fazer depois?”. Eu perguntei para o Sr. Toriyama sobre escrever uma história curta para a Weekly Jump e a Fresh Jump.

Toriyama: Eu escrevi várias histórias curtas. Então Sr. Torishima e eu conversamos muito. Torishima disse que a reação do leitor para elas não seria boa. Nós planejamos isso cuidadosamente em encontros, mas… (sorrisos)

Torishima: Nós não falamos seriamente sobre Dragon Ball logo depois de Dr. Slump, mas a reação do leitor foi realmente muito boa.

Toriyama: É, eu tive um bom pressentimento sobre as reações positivas, então pensei: Isso pode ser realmente bom. Eu pensei se deveria fazer do garoto o herói.

Takeda: Então começamos a continuar a história. No começo, por quanto tempo você pensou que levaria para fazer cada saga?

Toriyama: No começo, eu não pensava nisso. Eu fui começar a pensar só no último ano, então fiz três sagas.

Torishima: Certo, certo. Autores geralmente preparam mais rascunhos.

Kondou: Geralmente autores fazem alguns rascunhos e um rascunho final. Mas no caso de Toriyama, ele pulou os rascunhos mais simples e fez só o final. Então eu não sabia se eu deveria corrigi-los ou não, mas Toriyama é um gênio das revisões, então se ele pessoalmente corrigisse um rascunho mais simples, então a impressão inteira muda drasticamente.

Toriyama: Não, não, não. É que eu sou muito preguiçoso pra perder energia trabalhando em correções, então eu faço do meu jeito. (sorrindo)

Torishima: o mais difícil momento foi quando nos contaram que Son Goku deveria crescer. Toriyama disse que nós não poderíamos continuar se ele crescesse (sorrindo). Então nós tivemos que falar para o chefe que ele precisava crescer (para também fazer Toriyama crescer).

Takeda: É, negociamos com os executivos.

Torishima: Porque isso é contra a teoria dos mangás. A coisa básica é a atenção maior dada ao personagem principal ou herói. Então nós ficamos emocionados no dia em que a edição que Goku crescia, foi para as vendas. Nós viemos ao escritório cedo, antes das 8 da manhã para escutar as queixas dos leitores. Mas eles aceitaram naturalmente.

Takeda: O primeiro estágio de Son Goku ser aceitado foi porque ele era “bonitinho”, e quando ele cresceu, ele se tornou ‘mais legal’.

Torishima: E quando Goku cresceu, foi quando a era Takeda acabou. Então durante a era Kondo, Vegeta apareceu e então o número de fãs do sexo feminino cresceu.

Kondou: Mas antes das mulheres comprarem a Jump, elas liam o tipo de mangá Shoujou. Depois que eu fui encarregada nós fomos na direção de historias de lutas. Então nós precisaríamos escalar história geral, história das lutas e a história de fundo. Então nós tínhamos 3 coisas para pensar.

Takeda: Nesse tempo, Toriyama queria popularizar a serie fazendo sua historia realizada.

Toriyama: É, nesse tempo, eu adorava falar sobre a história, tanto como desenhar. Indo por sagas, eu pensava em cada parte, uma vez por mês. Eu continuava cavando o mesmo buraco. A parte mais difícil foi quando Trunks apareceu. Por mais que eu desenhasse e escrevesse, menos fazia sentido. Foram tempos difíceis.

Torishima: É, ninguém tinha esse tipo de paciência, exceto Kondo. Eu não tinha essa paciência.

Toriyama: Você não estava na gerência naquele tempo, mas você me chamou na minha casa e disse: “Sr Toriyama, depois de esperar pelos inimigos, estes se revelam ser apenas um velho e um gordo (risadas)”. A verdade é, nós tínhamos planejado usar apenas o 19 e o 20. Nós tivemos outra escolha, então mandamos 17 e 18. E você diz: “Estou desapontado, eles são apenas crianças”. Então eu mandei Cell.

Takeda: Isso significa que você não planejava mandar Cell?

Toriyama: Isso mesmo. Eu gostei do 19 e do 20. Depois eu acabei gostando da primeira forma de Cell.

Takeda: Aquele inseto? Você gostou daquele inseto?

Toriyama: Então Kondou disse: “Ele parece ok, mas claro que ele pode mudar”. Então decidimos transformá-lo para uma segunda forma.

Kondou: Sério? Eu não lembro disso.

Toriyama: Depois disso, Kondou estava terrível. Ele disse: “Agora, Cell parece burro. Por que não fazê-lo perfeito?”

Kondou: Bem, ele parecia… realmente burro! (risos)

Toriyama: Na segunda fase, eu gostei disso, então eu queria que ele tivesse mais tempo de aparição, mas nós não tivemos escolhas: teríamos que transformá-lo. Então fizemos o Perfect Cell, que o Kondou gostou.

AKIRA TORIYAMA – ENTREVISTA KYOKUGEN BATTLE COLLECTION

by Kami Sama Published on: 7 de setembro de 2010
Comments: 1 Comment
Tags: , , ,

Kyokugen Battle Collection – Entrevista com Akira Toriyama

Foi lançado em 4 de agosto de 2010, no Japão, o segundo volume do guia KYOKUGEN BATTLE COLLECTION (極限バトルコレクション – Ultimate Battle Collection). É um guia que analisa as batalhas do anime e no final deste há uma pequena entrevista com Akira Toriyama.

A tradução foi realizada por Medamaoyaji, do site www.hoipoi.org

P = Pergunta do guia
T = Akira Toriyama

P: Você passava ordens ou exigências para a equipe durante o processo de animação?
T: O objetivo era deixar tudo nas mãos da equipe. Então, creio que não houve nada desse gênero.
Porém, em um determinado momento, senti que a história fugia demais do foco. Somente nessa hora eu dei cheguei a dar um toque.

P: O que você pensou quando viu a imagem de Goku em movimento pela primeira vez? O que achou da voz dele?
T: Com o cabelo que ele tem, ficava imaginando como iriam fazer com aquele cabelo sem sentido dele. Mas da forma simples como fizeram, gostei bastante.
A voz encaixou perfeitamente no que eu imaginava. Lógico. Eu ouvi a fita do concurso para a escolha dos dubladores e eu quem escolhi (risos).
Na verdade, não sou profundo conhecedor do mundo dos animes. Por isso, quando indiquei o nome de Nozawa Masako, não sabia que se tratava de uma pessoa famosa.

P: Qual foi sua impressão ao ver as batalhas no anime?
T: No manga, como não há movimento, é só desenhar um momento e uma pose para cada momento. Já no anime, é necessário desenhar toda a movimentação entre uma posição e outra. Simplesmente pensei, “Como conseguem fazer toda a movimentação e ainda transmitir a sensação de velocidade. Realmente fazem isso muito bem…” e fiquei bem satisfeito.
Só acho que exageraram no tempo que se levava para fazer o kiai antes de começar uma batalha (risos). Na obra original isso passa num instante. Mas acho que quanto a isso não tem jeito, né (risos)?

P: Com o que você tomava cuidado na hora de desenhar as cenas de batalha na obra original?
T: Eu sempre acreditei que mostrando claramente “lugar”, qual a “relação”, “situação” e “como será a luta” facilitava a mostrar as cenas.
Então, mesmo em filmes, eu não gosto de quando há excesso de demonstração de poder. Acaba virando uma obra com cenas de luta difíceis de se compreender.

P: Quando você pensou criou o Kamehameha, quais foram suas dificuldades em relação tipo de técnica e pose que ela deveria ter?
T: Não dá para criar uma técnica com efeitos discretos num manga.
Desenhar técnicas de estrangulamento ou chaves de forma extravagante ou empolgante é bem complicado.
O Kamehameha é uma técnica que se baseia na emissão do KI em uma rajada. O KI é algo que não se enxerga normalmente. Consegui criar uma técnica chamativa representando o KI como algo visível.
Ainda tinha que nas peculiaridades dos personagens em relação às técnicas. Manter um padrão para tudo isso era bem complicado (risos).

P: Com o que você se preocupava ao criar um adversário forte?
T: Era necessário restringir, de alguma forma, restringir o adversário.
O antagonista anterior, o protagonista, o poder, expressão, que tipo de evolução… Me preocupava em coisas assim.

P: Você já tinha definido desde o princípio no equilíbrio entre os poderes dos personagens?
T: Eu tinha uma idéia de como seria, mas era comum eu mudar à medida que ia fazendo a história.

P: E o resultado das lutas? Você já tinha definido?
T: Isso eu realmente não tinha definido.
Mesmo o Tenkaichi Budoukai, somente o primeiro eu tinha o resultado definido.
Dessa forma, fica emocionante para quem desenha também (risos).

P: Como nasceu a idéia do scouter?
T: Imaginei que sabendo a força e posição em forma de números, fica mais fácil compreender os adversários.

P: Toriyama sensei, cite seus 5 guerreiros preferidos.
T: Son Goku, Kuririn, Mr. Satan, Vegeta e Piccolo (não necessariamente nessa ordem).
Basicamente eu gosto daqueles que falam pouco. É, com certeza, “KAKKOII” (Nota do Tradutor – algo como o termo em inglês “cool”). Desde criança eu acho isso.
Falando nisso, Tenshinhan e Trunks também são assim, né? Está cheio de pesonagens assim (risos). Kuririn não é calado, mas gosto do fato dele ser um personagem que, mesmo enquanto está reclamando, está sempre batalhando e se esforçando.
À princípio, era para ele ter pouca participação na história e não me preocupei muito na hora de criá-lo, Mas quando fui perceber, ele virou o melhor amigo de Goku (risos).
Mr. Satan é o total oposto do personagem calado. Mesmo sendo um personagem bem mesquinho, não é um cara mau. Era divertido desenhá-lo, por isso gosto dele.

AKIRA TORIYAMA – ENTREVISTA SHONEN JUMP (EUA)

by Kami Sama Published on: 7 de setembro de 2010
Comments: No Comments
Tags: , , ,

Akira Toriyama – Entrevista Shonen Jump – EUA

Shonen Jump (sigla referida como “SJ”): Quantos anos você tinha quando começou a desenhar? Que tipo de coisas você desenhava?
Akira Toriyama (sigla referida como “T”): Eu comecei desenhando-copiando personagens de mangás de outras pessoas quando eu tinha por volta dos 5 anos, mas eu só comecei a desenhar manga com um roteiro próprio por volta dos 22 anos.

SJ: Quais são suas influências artísticas?
T: Eu era um ávido espectador de animes até eu ter uns 10 anos, quando eu mudei para mangás. Eu acho que sou influenciado por trabalhos de Osamu Tezuka e Walt Disney, os quais eu assistia naquela época, tais como Tetsuwan Atom (“Astro Boy”) e os 101 Dálmatas.

SJ: Como você se tornou um mangaka?
T: Eu enviei uma história a um concurso mensal para artistas amadores na Weekly Shonen Jump. Ela não venceu, mas depois daquilo eu fui contatado por um dos editores (Kazuhiko Torishima, hoje Diretor-Chefe da Weekly Shonen Jump), e depois que eu estudei por mais ou menos um ano, eu virei um profissional.

SJ: Você tem uma incrível habilidade de desenhar qualquer coisa no mundo em seu próprio e distinto estilo. Você normalmente usa material de referência para desenhar diferentes objetos, lugares, ou coisas?
T: Eu quase nunca uso material de referência para lugares, mas para objetos, por exemplo, se existe um modelo próprio de carro que eu goste, eu usarei um livro como referência para desenhá-lo.

SJ: Qual tipo de material de desenho você usou p/ Dragon Ball? Com que tipo de material de desenho você trabalha hoje?
T: Eu não tenho certeza se esses materiais estão disponíveis nos EUA, mas em Dragon Ball eu usei G-pens (um tipo de caneta-nanquim), Papel Kent (um papel do tipo Bristol Board, feito no Japão), tinta a prova d’água e tintas coloridas para pintura. Hoje eu uso um MacIntosh para colorir.

SJ: Eu ouvi que você está recolorindo, possivelmente até redesenhando, partes de Dragon Ball para uma “Perfect Edition”. Como é a sensação de resenhar Goku e cia pela primeira vez em tanto tempo?
T: Eu não redesenhei nada do mangá em si, porque senão eu começaria a implicar com tudo. Apenas novas capas. Desenhar isso de novo pela primeira vez em tanto tempo produziu uma mistura muito complicada de emoções, combinando nostalgia com o sentimento de não mais querer desenhar Dragon Ball.

SJ: Dragon Ball foi traduzido em várias línguas diferentes ao redor do mundo, e parece ter um apelo extremamente universal. Como você se sente sobre ter sido traduzido em muitas e muitas línguas?
T: Claro que faz me sentir muito feliz, mas eu continuo tentando viver como sempre vivi, sem realmente pensar nisso.

SJ: Em quais projetos novos ou mangás você está trabalhando ultimamente?
T: Agora eu me afastei um pouco dos mangás, e estou estudando coisas que eu sempre quis fazer, como livros de design e ilustrações.

SJ: Qual mensagem você gostaria de dar aos seus fãs americanos?
T: Essas pessoas que na distante América são fãs de Dragon Ball, me fazem verdadeiramente feliz. O método de produção de quadrinhos no Japão é muito agitado, mas também compensador, porque é possível fazer tanto a história, quanto arte por si só. Desse modo, é possível mostrar a individualidade. Se essa idéia lhe atrai, eu o convoco a tentar desenhar seu próprio mangá. Porque as pessoas que podem desenhar mangás que americanos irão amar verdadeiramente são americanos como você.

SJ: De 1984 a 1985 como era sua rotina de trabalho em Dragon Ball?
T: A maioria dos Mangás no Japão são desenhados no formato shukan (semanal), então eu desenhava um episódio por semana (NE: aproximadamente 14 páginas, mais uma página de capa). Mas para mim esse ritmo era muito difícil, e eu não gostava nem um pouco disso.

SJ: Dragon Ball desenvolveu-se de uma comédia para uma série de ação/lutas. Você sente que seu estilo de desenho mudou no processo?
T: Eu não estava particularmente consciente sobre isso, mas meu estilo de desenho mudou de acordo com as circunstâncias. Mas quando se trata disso, mais do que nada, eu gosto de desenhar comédias tolas e absurdas.

SJ: Eu ouvi que muitos desenvolvimentos de enredo em Dragon Ball foram influenciados por cartas de leitores. Isso é verdade? Se sim, você pode nos dar um exemplo concreto?
T: Partes dele foram, sim, por exemplo, pegue Vegeta quando apareceu pela primeira vez, como um vilão. Mas pelo fato dele se tornar muito popular, ele permaneceu na série a partir daquele ponto.

SJ: Dragon Ball parece ter influenciado muitos jogos de video game e mangás. De onde você tirou a idéia para os ataques que aparecem em Dragon Ball, tais como o KameHameHa, e todo o poder chi?
T: Chi (NE: conhecido também por “Ki”) foi muito usado na China desde tempos antigos, mas supõe-se que seja sem forma e invisível. Todavia no mangá, para torná-lo mais fácil para qualquer leitor captar, foi necessário dar-lhe uma forma. Para o KameHameHa, eu mesmo fiz um monte de diferentes poses e escolhi aquela que pensei ser a melhor.

SJ: Eu ouvi que você é fã de Jackie Chan. De todos os filmes de Jackie Chan, qual é o seu favorito?
T: Drunken Master (primeiro filme). Se eu não tivesse assistido esse filme, eu nunca teria criado Dragon Ball.

SJ: Você é fã de luta-livre? Eu pergunto porque em Dragon Ball existem alguns personagens desse estilo como Senhor Satã.
T: Infelizmente, eu não sou um grande fã de luta-livre.

SJ: Quais são seus hobbies? Como você passa seu tempo livre?
T: Na verdade, eu tenho um monte de hobbies, mas eu mantive kits de montagem de modelos por mais tempo. Em particular, eu amo modelos militares.

SJ: Eu ouvi que Dragon Ball foi inspirado particularmente por uma viagem a China. De todos os lugares que você visitou, quais foram particularmente memoráveis? Você faz muitos desenhos quando viaja?
T: Eu estive em muitos lugares, mas Austrália, na qual eu senti um prazeroso equilíbrio entre cidades e seus magníficos espaços naturais, me tocou demais. Eu não desenho nada em particular durante minhas viagens.

Página 1 de 212
KAMI SAMA EXPLORER
INDEX  Principal New Page 1


 INDEX

Principal
Old News
Facebook
E-mail
Twitter
Youtube
Flickr

 JOGOS ONLINE
Uranai Game
Seu Poder de Luta
Nome em Japonês

 AKIRA TORIYAMA
Introdução
Biografia
Toriyama Exhibition
Toei Anime Fair
BIRD STUDIO
Comentários
Entrevistas

 DRAGON BALL
Aura e Magia
Cabelos
Cronologia
Detecção de Ki
Dubladores
Esferas
Falsas Fusões
Falsos Super Saiyajins
Fusões
Galáxias
Hierarquia
Itens
Ki
Letras
Linhas Temporais
Mortes
Dialeto Namek-go
Níveis Saiyajins
Nomes dos personagens
Números em Dragon Ball
Outro Mundo
Personagens
Planetas
Poder de Luta
População/ Censo
Símbolos
Técnicas
Veículos
Primeira Aparição

 MANGÁS
Awawa World
BattleMan F-1 GP!
Cashman
Chobit
Cowa !
Dr. Slump
Dragon Quest
Dub e Peter
Escape
Go ! Go ! Ackman
Haigyo no Mahi Mahi
Kajika
Karamaru
Kennosuke sama
Kintoki
Lady Red
Mad Matic
Mamejiro
Mysterius Rain Jack
Mr. Ho
Mr. Rocky
Pink
Pola & Roid
Sand Land
Sakugenkijo
Sonchou
Toccio The Angel
T. Highlight Island
Tokimecha
Tomato Girl Detective
Tongpoo
Uchujin Peke
Wonder Island

 ARTWORK
Naruto Hiden Kai no Sho
25 YEARS WITH JOJO

 ANIME
O Anime
Anime pelo Mundo
Aberturas e Encerramentos
Guia de Episódios Dragon Ball
Guia de Episódios Dragon Ball Z
Guia de Episódios Dragon Ball GT

 MANGÁ
O Mangá
Mangá vs. Anime
Mangá pelo Mundo
Plágio

 KANZEBANS
Capas

 DRAGON BALL SD
O Mangá
Scans

 DRAGON BALL NO BRASIL
História
Mangá
TV
Datas
Censura
Dragon Ball na Mídia
Dragon Ball na internet

 EXTRAS
Game Guides
OST CD Games
Jogos Cancelados

 REVIEWS
Super Cassette Vision
NES
Game Boy
Mega Drive
SNES
Terebikko
PC ENGINE
3DO
JAMMA
SYSTEM 32
Saturn
Playstation
Pippin
Playdia
Playstation 2
Game Boy Advance
Game Cube
PSP
Mini-Games
Design Master
Palmtop

 DAIZENSHUUS
Introdução
Complete Illustrations
Story Guide
TV Animation 1
World Guide
TV Animation 2
Movies & TV Specials
Daijiten
Cardass Perfect File 1
Cardass Perfect File 2
TV Animation 3

 BIRD LAND PRESS
Introdução

 LIVROS
Mangaká
Movie Books
Outros Livros

 FILMES/ESPECIAIS
DVD Dragon Box
Especiais
Filmes

 ÁUDIO
LPs e Fitas Cassete

 IMAGENS
Akira Toriyama
Autógrafos
Cards
Cosplayers
F1 & Senna
Model Sheets/ Concept Arts
Produtos

 DRAGON FALL
Introdução

 ZINES
Dragon Ball Milênio
Dragor Pall

 FLICKR


 

 


Kami Sama Explorer em nenhum momento infringe o Copyright de Dragon Ball pertencentes à BIRD STUDIO e SHUEISHA Inc., além de não estar envolvido em qualquer produção oficial feita por elas. Este site é de caráter educativo e todo o material referente à Dragon Ball tem como único propósito levar ao conhecimento das pessoas tal obra, nada mais do que isto. O mesmo vale para qualquer outro anime aqui citado, seja de Akira Toriyama ou não. KSE, KSE2k e Kami Sama Explorer são nomes fantasias pertencentes a Anderson "Kami Sama" e Akauê "Ginyu" Barko. É proibida a reprodução ou cópia, parcial ou total deste site. O uso sem permissão de qualquer link existente neste site não será permitido. Os direitos autorais deste site são protegidos pela lei nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998. Quaisquer  dúvidas mande-me um e-mail. Obrigado. :)

FACEBOOK

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Follow Me
FacebookFlickrYoutube

Welcome , today is sexta-feira, 24 de novembro de 2017