Criador de Normandy Secret Club, Mikio Ito, fala sobre o impacto que Dragon Ball teve na sua infância

 

Criador de Normandy Secret Club, Mikio Ito, fala sobre o impacto que Dragon Ball teve na sua infância. Entrevista e ilustração foram publicadas na “Dragon Ball Children Volume 9” em agosto de 2003. Confira tradução:

Dragon Ball estava na capa da primeira Jump que eu comprei na vida. Comecei a ler a Jump muito tarde; Eu acho que foi quando eu estava no terceiro ano do ensino médio. Eu praticamente não lia mangá, muito menos a Jump. Quando eu era criança, minha cidade natal Yokohama ainda tinha vários bosques e lotes vazios, então todos os dias eu fazia coisas como jogar futebol ou beisebol, apanhar insetos, enfiar foguete no cocô e explodir ou ler uma revista feminina jogada fora; Eu era uma criança muito ao ar livre. Com o tempo, os condomínios começaram a crescer nos lugares onde eu brincava, e as crianças com quem brincávamos frequentavam diferentes escolas de ensino fundamental. Por causa disso, parei de brincar na rua. Então, no ensino médio, voltando para casa, alguém gritou atrás de mim: “Kuririn morreu!!”

Quando eu ouvi isso, meu pensamento foi: “Quem?!” Mas os caras ao meu redor reagiram diferente. “Sério?!!” “Impossível isso ter acontecido!!” “Deixe-me ver também!!” O caminho da escola para casa estava em alvoroço. Vendo o estado de excitação dessas pessoas diante dos meus olhos, comecei a me sentir um pouco envergonhado por não saber quem era Kuririn, então eu disse: “Ah, é verdade”, fingindo saber quem ele era de longa data. Foi por causa desse incidente que comecei a ler a Jump.

Eu simplesmente adoro isso. É simplesmente agradável. Quando eu era criança, tudo era divertido, então pouco importava. Mas, pensando nisso agora, suponho que o motivo pelo qual comecei a gostar de Dragon Ball foram as poses e os vilões. Todo mundo já imitou o Kamehameha. O Taiyoken, o Kikoho, o Kienzan, o Makankosappo. Não importa a técnica, era uma pose tão simples que qualquer um poderia fazer. Mas, apesar disso, era legal e, se você adotasse essa pose, sentia que também podia fazer a técnica e praticá-la. Bem, eu realmente posso fazer um Kienzan, no entanto. Hehehe.

O que me leva ao meu outro motivo: os vilões. De Tao Pai Pai a Tenshinhan, Piccolo, Vegeta e Freeza, eles não são apenas maus, são malignos. Inimigos detestáveis. Meu coração gritava: “Droga, quem esse cara pensa que é? Faça alguma coisa, Goku!!!” Quanto mais malvado o vilão, mais irresistível é a alegria de vê-los derrotados.

Gosto porque é agradável. No final, acho que, como fã, todo o meu argumento se resume a essa única frase.

Do ponto de vista de um fã, é agradável; da perspectiva de um mangaká, é invejável.

Para mim, Dragon Ball é esse tipo de mangá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*