Game Guides

Game Guides

Meados dos anos 80, Japão. Em meio ao milagre econômico japonês, na esteira da popularização dos computadores pessoais, os vídeos games passavam a ser um bem de consumo tão indispensável na casa das pessoas quanto a televisão. No país do mangá, as grandes editoras e seus mangakás, apercebendo-se disso, passaram a licenciar uma infinita gama de personagens e histórias de sucesso que agora, além do papel e da televisão, passavam a figurar em jogos para consoles domésticos. A editora Shueisha foi uma das grandes pioneiras nesse novo mercado, e valendo-se de suas publicações com tiragens na casa dos milhões, passou a promover esse jogos e produtos correlatos as histórias que figuravam periodicamente em suas páginas. Dr. Slump por exemplo, teve cerca de 4 jogos lançados em menos de um ano: em 1983 para ARCADIA e em 1984 para PC 8801, PC 6001 e SHARP X1, sendo que os jogos foram desenvolvidos por 3 sofhouses diferentes: a BANDAI (para ARCADIA), PONYCA (para PC 8801) e ENIX (PC 6001 e SHARP X1).

No ano de 1983, o console de 8 bits da NINTENDO, o FAMICOM (NES) era uma verdadeira febre no Japão, só para se ter uma idéia, no dia de lançamento do FAMICOM, em 15 Julho desse mesmo ano, foram vendidas 150.000 mil unidades do console. Em 1984, revistas especializadas no console passaram a ser editadas. Em sua grande maioria, eram revistas publicadas por editoras menores e que tratavam de trazer em suas páginas reviews repletos de screen shots dos jogos recém lançados. A vida dessas revistas foi muito curta e muitas não passaram da décima edição e o motivo disso era muito simples, já que a quantidade de jogos recém lançados para o FAMICOM não era grande o suficiente para sustentar de novidades as revistas publicadas nesses moldes. Afinal, entre 1983 e 1985 foram lançados apenas 98 jogos para o FAMICOM. Dentre essas revistas vale destacar as pioneiríssimas “Family Computer Large Picture Book”, da editora Tokuma Shoten e a “Family Computer Large Encyclopedia”, da editora Keibunsha. Abaixo, a capa da primeira edição de ambas publicações.

Em dezembro de 1984, a Hudson Soft, no embalo das vendas de Lode Runner para o console da Nintendo, deu um tiro no escuro investindo em um novo molde de publicação, visando um público mais específico. A Hudson revolveu publicar uma edição que trazia um review completo do game, uma espécie de manual muito melhor do que o que vinha com o jogo Lode Runner. E esse foi o primeiro game guide publicado, porém a prática da própria softhouse publicar um game guide é algo que pouco se repetiu.

Em 1985, muitas das revistas que traziam reviews de dezenas de jogos, foram canceladas e essas editoras menores em conjunto com as softhouses passaram a publicar game guides dos jogos de maior sucesso. Entretanto, a publicação desses game guides dependia não só de contratos junto às softhouses que desenvolviam o jogo, dependia também de outros possíveis detentores dos direitos sobre o mesmo. Sendo assim, nesse primeiro momento essas editoras menores publicaram apenas game guides de jogos não baseados em mangás. Posteriormente, caberiam as próprias editoras, que licenciavam seus personagens em games para o FAMICOM e outros consoles, esse trabalho.

A Shueisha estava engatinhando no que se refere a publicações referente a jogos. Em 4 de Dezembro de 1985, foi lançada a revista ”Family Computer God Fist Secret Principles Large Complete Book”, sendo que a segunda edição da revista foi às bancas apenas alguns meses depois, em 31 de Maio de 1986 e tratava exclusivamente do fenômeno recém lançado, Dragon Quest.

No ano de 1986, Dragon Ball estreava na TV e agora o que era um sucesso editorial e um dos carros chefes da revista de maior tiragem da Shueisha (a Weekly Shounem Jump), começava a ganhar os ares de maior fenômeno da indústria de entretenimento japonês. Em 27 de Novembro desse mesmo ano, Dragon Ball teve lançado seu primeiro jogo para FAMICOM, o clássico Dragon Ball Shenron no Nazo. Pouco depois de seu lançamento, em 15 de Dezembro, a Shueisha lançava nas bancas a terceira edição da ”Family Computer God Fist Secret Principles Large Complete Book”, sendo que Dragon Ball Shenron no Nazo era o jogo que figurava em suas páginas.

Desde então, a maioria dos games de Dragon Ball, independentemente do console, tiveram um game guide publicado no Japão. A partir de Agosto de 1993, os game guides da Shueisha deixaram de ser publicados como Jump Comics Selection e passaram a ser publicados sob o selo de sua mais nova revista mensal, a VJUMP. Os game guides sob o selo VJUMP são publicados no formato A5 (14,9 cm x 21 cm) sendo ligeiramente maiores que seus predecessores que tinham o formato B6 (12.6 cm x 18.25 cm).

Não sabemos dizer especificamente o porquê de nem todos os jogos de Dragon Ball tiveram game guides publicados. Pode ser por uma questão contratual da Shueisha junto aos detentores de direito sobre o jogo e a marca ou simplesmente por uma questão momentânea de mercado.

Na lista abaixo temos as capas de todos os game guides de Dragon Ball publicados até o presente momento, incluindo os dois jogos da série Famicom Jump. Vale lembrar que o crocodilo pirata que ilustra a capa do game guide do Famicom Jump Hero Retsuden é o Captain Gyao um personagem criado sob encomenda da Shueisha pelo Toriyama para as comemorações dos 20 anos da Weekly Shounen Jump.

Existe também uma publicação da Jump Comics Selection acerca do Card Game de Dragon Ball, no mesmo mode dos game guides. A publicação de Abril de 1991, além de ensinar a jogar com os cards, trás uma lista dos mesmos, que tinham sido lançados até então. Apesar de não se tratar de um game guide de um jogo para console doméstico, resolvemos incluí-la aqui a título de curiosidade:

Nos EUA também foram lançados game guides referentes aos jogos de Dragon Ball. Entretanto, apenas para os games mais recentes desenvolvidos pela ATARI, INFOGRAMES e DIMPS. A edição desses game guides ficou a cargo da editora Prima Temp Authors, especializada nesse tipo de publicação. O principal diferencial dos Prima’s Official Strategy Guides é que algumas das edições acompanham um DVD com dicas do jogo, entrevistas, vídeos e material promocional.

Vale lembrar que o site oficial da Prima Temp vende os mesmos livros publicados sob a forma de EGUIDE, para consultar o guia pelo computador, ou imprimi-lo por conta própria. O EGUIDE além de mais barato, é uma boa opção para quem não tem fácil acesso as publicações, sem contar que ao pagar para dar um download em um EGUIDE, não se paga taxa de importação.

Em Taiwan, também foram publicados game guides dos jogos de Dragon Ball, mas ao que tudo indica, todos esses game guides foram publicados por editoras independentes que que não tinham o direito de explorar a marca Dragon Ball, coisa que muitas revistas vagabundas existentes nas bancas desde 1994, continuam a fazer por aqui, sem que ninguém dê a mínima.

Esses game guides possuem, em sua maioria, capas diferentes dos originais japoneses e, dependendo da edição, boa parte das páginas foram publicadas em preto e branco. De qualquer forma, o conteúdo parece ser igual e não teria nada demais em relação aos guides de Dragon Ball japoneses, se não fossem algumas curiosidades. Algumas dessas edições chegam a dividir o mesmo espaço com um outro jogo não relacionado a Dragon Ball e que por muitas vezes esse game é pirata, desenvolvido por uma softhouse local. Mas o mais interessante disso tudo é que temos alguns game guides que não foram copiados dos japoneses e sim totalmente criados por essas editoras ou seja, esses game guides se referem a jogos que não tiveram publicação similar no Japão! É o caso de Dragon Ball 3 Gokuden para NES, que divide as páginas de seu game guide com Dragon Ball Daimaô Fukkatsu. Temos também Dragon Ball Z Suupaa Gokuden Totsugekihen e Dragon Ball Z Suupaa Gokuden Kakuseihen, ambos jogos para SNES, que ganharam edições independentes. Abaixo as capas dessas edições independentes exclusivas:

  

Vale a pena ressaltar que Akira Toriyama ilustrou muitas outras capas de game guides publicados no Japão, logicamente, apenas capas de game guides de jogos dos quais ele foi character design, como jogos de Dragon Quest, Tobal, Chrono Trigger e Torneko, nas mais variadas plataformas. Entretanto, mesmo ele tendo sido character design desses jogos ele não ilustrou todas as capas de seus game guides. Como o objetivo dessa seção não é falar de jogos que o Toriyama foi character design e sim de jogos que figuram personagens de histórias ORIGINAIS dele, não podemos deixar de citar Go Go Ackman, que teve três jogos para SNES e um para Game Boy. No caso de Go Go Ackman apenas os dois primeiros jogos para SNES tiveram game guides publicados, sendo que ambos pelo selo VJUMP. Abaixo, temos as capas de ambos: