PSP

Games – PSP

Dragon Ball Z: Shin Budokai (ドラゴンボールZ 真武道会 / Doragon Bōru Zetto Shin Budôkai )
Relançamentos: Greatest Hits – Dragon Ball Z: Shin Budokai (EUA); Platinum: Dragon Ball Z: Shin Budokai (Europa)
Estilo: Luta
Data: 7 de Março de 2006 (EUA); 20 de Abril de 2006 (Japão e Coréia); 25 de Maio de 2006 (Europa); 2007 (Greatest Hits – Dragon Ball Z: Shin Budokai) e 05 de Abril de 2007 (Platinum: Dragon Ball Z: Shin Budokai)
Developer: Dimps
Publisher: BANDAI (Doragon Bōru Zetto Shin Budôkai); ATARI (Dragon Ball Z: Shin Budokai); NANCO BANDAI GAMES (Greatest Hits – Dragon Ball Z: Shin Budokai e Platinum: Dragon Ball Z: Shin Budokai)
Licenciadores: FUNimation (versão e relançamento EUA apenas); Bird Studio/ Shueisha/ Fuji TV/ Toei Animation/ SONY (todas as versões e relançamentos);

No dia 12 de Dezembro de 2004, a SONY lançou no Japão seu primeiro videogame portátil, o PSP. Disposto a concorrer com o Nintendo DS (Nintendo), o PSP exibe recursos mirabolantes para o padrão de um portátil, tais como: LCD Widescreen de 16 milhões de cores (considerando que tanto os portáteis como até os mais avançados Palmtops possuem tela de “apenas” 65 mil cores), uma rede sem fio, USB 2.0, capacidade para exibir e tocar arquivos de vídeo, fotos e áudio e um poderoso hardware que permite gráficos bem próximos ao de um Playstation 2 (PS2). Todavia, diferente do Nintendo DS e dos demais portáteis, o PSP carece de títulos que não sejam meras versões adaptadas (“pioradas”) das já existentes no PS2. E isso não é diferente com Shin Budokai, o 1ro título de Dragon Ball para o portátil. Produzido pela Dimps, a mesma responsável pelos demais Budokais, a comparação com o último Budokai lançado é inevitável.

APRESENTAÇÃO
A abertura do game é totalmente em CelShading, assim como em Budokai 3, mostrando cenas de lutas entre os personagens. Nada muito surpreendente, a não ser pela qualidade gráfica considerando ser a de um portátil.

Nesse novo título as transformações in-game permanecem, mas de uma forma restrita. Por exemplo, se escolher o Goku como personagem, o jogador deverá selecionar uma das “quatro” transformações que o mesmo possui no game (Kaioken, SSJ, SSJ2 e SSJ3) ou ainda jogar com o personagem base, normal (Son Goku). Assim, se o jogador optar pelo SSJ3, no início da luta o jogador terá um Goku básico (Son Goku), mas que poderá transformar-se em SSJ3 (Goku Super Saiyajin 3), sem ter que passar pelas transformações anteriores (Kaioken, SSJ2, SSJ3).

Shin Budokai conta com um número bem inferior de personagens se comparado a Budokai 3, pois apesar de existir 3 variações de Goku (Goku Super Saiyajin, Goku Super Saiyajin 2 e Goku Super Saiyajin 3), fora a base – Son Goku -, essas variações são obrigatoriamente personagens in-game e não personagens próprios. Mas mesmo se desconsiderarmos isso, Shin Budokai possui 37 personagens, um número ainda inferior aos personagens próprios de Budokai 3 (sem considerar suas transformações in-game). De qualquer forma, são eles:

01 – Son Goku
02 – Goku Super Saiyajin
03 – Goku Super Saiyajin 2
04 – Goku Super Saiyajin 3
05 – Vegita
06 – Vegita Super Saiyajin
07 – Vegita Super Saiyajin 2
08 – Majin Vegita
09 – Piccolo
10 – Kuririn
11 – Teen Gohan
12 – Teen Gohan Super Saiyajin
13 – Teen Gohan Super Saiyajin 2
14 – Gohan
15 – Gohan Super Saiyajin
16 – Gohan Super Saiyajin 2
17 – Ultimate Gohan (Mistic Gohan)
18 – Trunks (Sword)
19 – Trunks Super Saiyajin (Sword)
20 – Gotenks
21 – Gotenks Super Saiyajin
22 – Gotenks Super Saiyajin 3
23 – Vegito
24 – Vegito Super Saiyajin
25 – Gogeta Super Saiyajin
26 – Freeza Final Form
27 – Freeza Final Form Full Power
28 – Android #18
29 – Cell Perfect Form
30 – Cell Super Perfect Form
31 – Kid Buu
32 – Cooler
33 – Cooler Transformed
34 – Brolly
35 – Brolly Legendary Super Saiyan
36 – Janemba
37 – Paikuhan
A principal novidade fica em conta dos personagens inéditos nos Budokais: Paikuhan e Janemba.

Shin Budokai possui poucos modos e opções de jogo. O modo Dragon Road é o History Mode do game, com base no 12º Movie de DBZ: “Fukkatsu no fyûjon!! Gokû to Bejîta” e dividido em 5 capítulos. O modo Arcade é uma espécie de History Mode individual, para cada personagem, cujo objetivo final é usar as Esferas do Dragão.

O modo Dragon Trial é composto por 2 modos Survival, sem muito o que ser dito.

O Network Battle seria o modo mais interessante, para quem busca um Versus. Seria, se não fosse o “pequeno” empecilho de que é necessário que encontre uma outra pessoa com PSP que também possua o jogo. Isso é extremamente desestimulante, visto que dificilmente encontra-se um jogador de PSP perambulando por aí e ainda mais com uma cópia deste jogo. A presença de um multiplayer via internet era essencial para aumentar o fator replay de Shin Budokai.

O modo Training é o famoso Pratice Mode de todos os jogos de luta.

Por fim, o modo Profile Card, onde o jogador monta seu cartão de visitas, com imagens do game ou coleciona cartões de quem desafiou no modo Multiplayer. É, de longe, o modo mais inútil de todos os Budokais. O Skill Shop não está presente nesta versão e, para piorar, a única coisa que se faz com o dinheiro ganho no jogo é a compra desses artigos. Esses cartões não alteram em nada no desempenho do game e como a troca de cartões só é permitida no mesmo esquema necessário para as disputas em Versus, torna-se uma opção completamente desnecessária e desestimulante.

E, claro, não esquecendo do Options onde é possível mudar todas as configurações do game, inclusive alternar as vozes do Sistema USA para o Japonês.

GRÁFICOS
Os gráficos são absurdamente atraentes, graças ao filtro CelShading, tornando o game extremamente próximo ao visual do anime. Considerando que o PSP tem um hardware inferior ao Playstation 2, esperavasse uma queda brusca na qualidade visual em relação aos Budokais do PS2, contudo a Dimps fez um excelente trabalho, explorando bem as llimitações do portátil, mantendo um visual digno do próprio PS2.

Os personagens são mais rápidos e com uma maior fluidez que os do Budokai 3. Tanto os combos, quanto a movimentação dos personagens estão mais acelerados e algumas animações são exclusivas em Shin Budokai, como a de quando um personagem faz sua recuperação após ser arremessado contra o chão. Porém, pelas limitações de hardware do PSP, muitos outros detalhes foram bem sacrificados. Todos os movimentos cinemáticos foram retirados, sem contar que os personagens não possuem movimentos faciais, nem mesmo qualquer expressão fora a de que começam a batalha. Ou seja, seu personagem continuará com a mesma expressão facial seja batendo ou apanhando.

JOGABILIDADE
Poucas foram as alterações ou novidades existentes na jogabilidade, como por exemplo, após um nocaute, se o jogador der toques no direcional em qualquer direção, seu personagem levantar-se-á o mais rápido possível colocando-se naquela posição. Outra novidade considerável é o “Burst Move”, onde com um toque no botão R, seu personagem ativa seu Ki ao máximo e a partir dai, várias opções poderão ser tomadas, como fugir em alta velocidade de um ataque em qualquer direção ou com um toque no botão /\ aplicar um golpe potencializado no oponente paralisando-o momentaneamente ou ainda com um toque no botão [] iniciar um ataque fraco com impulso que permite encaixar um combo ou aplicar golpes de Ki com seu poder no máximo, evitando assim o tempo de carga da técnica (pois na hora de dar um golpe, como o Kamehameha por exemplo, se o jogador realizar o comando SETA PRA FRENTE + O e manter o O pressionado, o Kamehameha será carregado até atingir sua potência máxima).

Mas apesar da jogabilidade ser praticamente idêntica a de Budokai 3, o sistema em si tornou-se consideravelmente diferente. Um exemplo que torna fácil o entendimento é comparar Street Fighter II Champion Edition com Street Fighter II World Warrior, para quem obviamente conhece não tão superficialmente a jogabilidade. Os controles, os comandos são exatamente os mesmos, mas a técnica de jogo é bem diferente.

Em Shin Budokai, a Dimps aboliu o sistema de cápsulas, que customizavam os personagens, diminuindo drasticamente o fator replay do jogo e principalmente a estratégia do game. A jogabilidade de Shin Budokai resume-se em cada personagem possuir 2 movimentos especiais, 1 movimento final e uma variada combinações de combos. Além disso, os personagens de Shin Budokai são capazes de cancelar qualquer golpe com o que quiser, tornando-se personagens multi-combos, algo um pouco diferente do que acontecia nos demais Budokais (os personagens de Budokai eram mais limitados quanto a esse tipo de recurso). Isso faz com que os personagens de Shin Budokai “em tese” possuam os mesmos recursos que os demais personagens, tornando o jogo “em tese” mais técnico. Todavia, o uso das cápsulas nos demais Budokais é que justamente garantiam uma estratégia eficaz, permitindo não só uma gama de combinações que promovessem a vitória (ou derrota), mas permitindo exatamente o uso indiscriminado de qualquer personagem, desde que bem customizado. Em Shin Budokai, um personagem considerado fraco dificilmente teria vantagens contra um personagem forte (independente de possuírem os mesmos recursos). Um exemplo era montar um Goku ou Vegeta que não se transformassem em SSJ, mas com uma
combinação apropriada de cápsulas, teriam uma alta defesa e um alto poder de recuperação. Em miúdos, a não muita taticidade e estratagema existente em Budokai 3 esvaiu-se completamente.

Outro problema crucial é o desequilíbrio proporcionado pelas transformações. Independente de qual nível for a transformação, todas são ativadas exatamente com a mesma quantidade de Ki necessário para tal, fazendo com que abra uma grande desvantagem entre jogadores que escolheram transformações mais fracas e jogadores que escolheram transformações mais fortes. Logo, nem o mais bitolado fã quererá jogar com um Goku Super Saiyajin, sendo que é necessário a mesma quantidade de Ki para jogar com um Goku Super Saiyajin 2 ou 3, que são muito mais poderosos e desprovidos de qualquer desvantagem perante suas versões anteriores.

A última diferença significativa é no sistema de bloqueio de ataques, similar a existente em Darkstalkers. Se seu personagem defender um golpe, o dano fica indicado em vermelho, sendo este dano parecido com o que se não defendesse o golpe. Porém, se passar algum tempo sem sofrer dano algum, a energia é restaurada até o ponto que estava anteriormente.

SOM
Comparado a Budokai 3, o game teve um número de vozes reduzidas, apesar de ter embutido as vozes originais de seus dubladores (EUA e Japão). As músicas são quase idênticas as existentes em Budokai 3, mas isso de longe é algo que desmereça Shin Budokai, visto a qualidade das músicas e a fidelidade que tanto elas como as vozes passam, se comparadas ao anime.

CONCLUSÃO
Apesar das consideráveis alterações e diferenças de Shin Budokai frente aos demais Budokais (e em principal, Budokai 3), todas elas justificam-se mais pela inferioridade de hardware do PSP em comparação ao PS2, do que com o intuito de criar um novo título de uma franquia com inovações que o diferenciassem completamente da versão onde surgiu primeiramente. Enfim, Shin Budokai é apenas uma versão “piorada” de Budokai 3 para PS2, sendo até compensador para quem é fã e que tem somente um PSP, mas de longe interessante para quem tem os dois consoles e esperava algo diferente. E, mesmo para quem tem somente um PSP, o fraquíssimo fator replay de Shin Budokai faria com que muitos jogadores comuns de fighting-games que não possuam o PS2 se arrependessem.

Cover Japonês