Criador de Happy World!, Kenjiro Takeshita, fala sobre o impacto que Dragon Ball teve na sua infância

 

Criador de Happy World!, Kenjiro Takeshita, fala sobre o impacto que Dragon Ball teve na sua infância. Entrevista e ilustração foram publicadas na “Dragon Ball Children Volume 12″ em novembro de 2003. Confira tradução:

“Pafu Pafu”. Essas palavras, que subitamente entraram no meu cérebro na 6ª série, perturbaram muito meu coração.

Tendo sido criado em uma família um pouco rígida, fiquei terrivelmente envergonhado de mim mesmo e do meu interesse excessivo pelo sexo oposto, e até me perguntei: “Tudo bem pra mim ser tão pervertido? E se eu não for uma pessoa decente?”

O que finalmente me libertou foi Mestre Kame.

Vê-lo dizer coisas como “calcinha de uma garota” ou “deixe-me cutucar seus peitos” com um olhar lascivo no rosto, mesmo sendo um homem grande o suficiente para ser chamado de Mestre, ser respeitado por todos os artistas marciais e até explodir a Lua em pedaços, eu me lembro de sentir como se tivesse sido salvo, como: “Ah, então não há problema em continuar sendo lascivo, mesmo para um adulto de tal porte”. Não se limita a Dragon Ball; no Dr. Slump, também, o Dr. Senbei mostra que, apesar de ser o cientista brilhante do século, é um pervertido sem esperança e usa seu intelecto para esses fins. Ele não é simplesmente incrível; ele tem seus defeitos. Ele é negligente em alguma coisa. Eu acho que é por isso que os personagens de Toriyama-sensei são tão amados.

Eu quero ver as garotas

Desde o início da segunda metade de Dragon Ball, o papel das personagens femininas na história praticamente desapareceu. Talvez isso em si seja apropriado para um mangá shonen, mas as garotas desenhadas por Toriyama-sensei são realmente atraentes e fofas, então, com certeza, eu gostaria de ver outro mangá em que elas tenham um papel ativo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*